Moradora tem residência atingida por queda de raio em Cascavel

A moradora de Cascavel, município da Região Metropolitana de Fortaleza, Eloneide da Silva, 37 anos, diz ter tido a casa parcialmente destruída por um raio na manhã desta quarta-feira (17). Paredes rachadas, eletrodomésticos queimados, pias e vasos sanitários quebrados estão entre os danos.

A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) informa que choveu 6 milímetros no município até as 17h. Com base no site Earth Networks, a Clima Tempo afirmou que caíram 13 raios naquela região entre 7h e 8h desta quarta.

Elioneide diz que, além de abrir um buraco no telhado e derrubar várias telhas, o raio provocou danos dentro da casa.

“Geladeira queimou e quebrou por dentro, até os ovos. Máquina de lavar tá toda quebrada. A instalação da casa foi toda atingida e a casa tá toda rachada. A pia da cozinha sacou fora do balcão e caiu, e o vaso sanitário e a pia de cima”, listou a mulher.

Ela também afirma que as tomadas da casa ficaram todas queimadas, com fios à mostra.

Elioneide e a filha de nove anos dormiam no quarto debaixo quando o fato ocorreu. A parte superior do imóvel, onde ficam o quarto principal e um banheiro, foi a mais destruída, segundo a inquilina.

“Aconteceu um estrondo dentro de casa e eu nem levantei, fiquei sem reação, com ela (a filha) na cama. Não tinha condições psicológicas de levantar”, conta.

Ela mora no imóvel há oito meses, e diz que o local não possui para-raios.

Nuvens de tempestade

A Funceme explica que os raios costumam estar relacionados a nuvens densas, de tempestades. Mas que podem atingir o solo em local relativamente distante da nuvem.

“Eles costumam estar tipicamente associados a nuvens de tempestade do tipo cumulonimbus, mas ainda podem acontecer a partir de nuvens cumulus não tão desenvolvidas. Nesse caso, eles têm extensões e intensidades menores”, diz o órgão.

“Entretanto, um raio pode provir de um cumulonimbus, percorrendo uma trajetória longa, e alcançar o solo num local relativamente distante da nuvem, dando a impressão que não se originou dele”, completa.

‘Surto de tensão’

O professor de Engenharia Elétrica na UFC Carlos Gustavo analisou imagens da casa enviadas pela moradora após a descarga elétrica. Ele reconhece que, apesar de raro, o fenômeno é possível.

“Pode acontecer, principalmente se a casa tiver numa região isolada, horizontal, e não tiver nenhuma edificação mais alta, ela pode tá sujeita à queda do raio”.

Ele também afirmou que, em casos assim, danos materiais como os ocorridos na residência são comuns.

“Na hora que a descarga atmosférica incidir na edificação vai acontecer uma sobretensão induzida em toda instalação elétrica. É como se fosse um surto de tensão. Se a residência não tiver os dispositivos de proteção contra surto, pode acontecer exatamente essa queima. Um surto na alimentação elétrica na geladeira pode causar a queima dos circuitos eletrônicos, vão ficar pontos escuros nas tomadas, queimar fonte de televisão, micro-ondas, equipamentos de tv a cabo… tudo isso pode vir a queimar”, explicou.

‘Não tava mais aqui’

A mulher considera que escapou de uma tragédia, já que perdeu o horário da escola da filha e, no momento em que o raio atingiu a casa, as duas permaneciam deitadas no quarto, e não na cozinha ou no banheiro, como de costume para o horário.

“Ela ia pro colégio, se ela tivesse ido eu nem tava contando a história, porque eu estaria na cozinha. Perdi a hora e fiquei com ela na cama. Também não tinha trabalho hoje, então continuei deitada. Se eu tivesse na cozinha ou no banheiro, não tava mais aqui”, relatou.


Deixe um comentário